terça-feira, 4 de setembro de 2018

Nenhum Estado atingiu a meta do IDEB, diz o Ministério da Educação

Resultado de imagem para ministro da educação
O MEC informou nesta segunda-feira (3) que, no ensino médio, nenhum estado atingiu a meta do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2017.
Além disso, cinco dos 27 estados apresentaram redução no índice. Os dados foram apresentados pelo ministro Rossieli Soares e dirigentes do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).
“Temos um quadro de crescimento nos anos iniciais, especialmente das redes municipais. Tivemos avanços do sexto ao nono ano, mas ainda insuficientes, e uma estagnação do ensino médio, que cada vez mais se distancia da meta. Há uma necessidade muito grande de fazermos logo mudanças estruturantes”, declarou o ministro.
“É necessário avançar nessa reforma para trazer este novo ensino médio para o Brasil”, acrescentou.
A presidente do Inep, Maria Inês Fini, destacou a parceria do Instituto com o MEC. “O Inep cria as evidências e o Ministério da Educação estabelece as políticas a partir delas. Esta parceria de interpretação de resultados com a secretaria de educação básica é um fato muito positivo e que acentua o papel do Inep no cenário da educação brasileira”.
Após três edições consecutivas sem alterações, o IDEB do ensino médio avançou apenas 0,1 ponto em 2017. Apesar do crescimento observado, o país está distante da meta projetada. De 3,7 em 2015, atingiu 3,8 em 2017. A meta estabelecida para 2017 é de 4,7.
“Foi um crescimento inexpressivo. Estamos muito distantes das metas propostas. É mais uma notícia trágica para o ensino médio do Brasil”, destacou o ministro. O ensino médio é de responsabilidade dos governos estaduais.
O registro positivo ficou com o Espírito Santo, Estado com o melhor desempenho no país. O Ceará também se destacou, superando a meta proposta para 2017, em 1,4 ponto. Oito estados alcançaram um IDEB maior ou igual a 6,0: Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo, Ceará, Paraná, Santa Catarina, Goiás e Distrito Federal.
Os estados do Ceará, Alagoas e Piauí apresentaram os maiores crescimentos no período. Ainda é possível observar que os estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Minas Gerais detêm os maiores IDEBs do país nos anos iniciais do ensino fundamental.
Já Mato Grosso, Minas Gerais, São Paulo e Ceará têm as maiores taxas de aprovação, ao passo que Pará, Sergipe e Bahia tem as maiores taxas de reprovação.
Informações Blog do Inaldo Sampaio

Nenhum comentário:

Postar um comentário