quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

A vantagem de Armando Monteiro em relação a FBC - Por Edmar Lyra

Que o senador Fernando Bezerra Coelho é um exímio orador e um político combativo não há a menor dúvida, é importante salientar que foi graças ao movimento de FBC em 2017 de romper com o governador Paulo Câmara que a oposição saiu da letargia de três anos mesmo com o governador enfrentando sérias dificuldades na sua gestão. Porém, para FBC se consolidar como candidato competitivo ainda falta muito chão pela frente.
Os dois maiores desafios do senador não são nem os pequenos índices de intenção de voto, pois é óbvio que com uma campanha bem organizada ele tende a crescer durante o processo eleitoral, sobretudo porque estamos falando de uma inteligência rara na política pernambucana. Mas o que tem efetivamente colocado em xeque a viabilidade eleitoral do senador é a sua rejeição nas pesquisas que é considerada bastante elevada, e a dúvida quanto ao desfecho do MDB, o que não impede Fernando de se movimentar, mas prejudica e muito a formação de um palanque competitivo. Enquanto o senador não pegar o comando do partido em definitivo, ficará esta dúvida sobre o futuro da sua postulação.
No caso de Armando Monteiro, além de ter enfrentado Paulo Câmara em 2014, o petebista tem efetivamente um partido para chamar de seu, e ainda conta com mais três legendas que estão fechadas com sua postulação, que são o PRB, o Avante e o Podemos. Armando também tem ao seu favor a liderança nas pesquisas e a menor rejeição dentre os postulantes.
Como se não bastasse estes fatores que fortalecem Armando na disputa, existe um indicativo nos bastidores de que tanto o DEM quanto o PSDB estão inclinados a apoiar a sua postulação, uma vez que Mendonça Filho e Bruno Araújo se sentiram ofuscados e até mesmo atropelados pelo estilo trator de FBC. No contexto de FBC ser candidato pelo MDB, há uma sinalização de que ele disputaria com PV, PRTB, PHS, PSDC e PRP, podendo atrair também o PSC a depender do cenário. Apesar de ter a perspectiva de alcançar até sete siglas em torno da sua candidatura, Fernando só teria de grande o MDB, o restante seriam siglas nanicas que legariam a sua postulação apenas o terceiro guia eleitoral em termos de tempo de rádio e TV.
Para um candidato ainda muito desconhecido e significativamente rejeitado pelo eleitorado, ficar em terceiro em termos de guia eleitoral numa campanha de tiro curto, apenas 45 dias oficialmente e somente 35 de guia eleitoral, será preciso muito jogo de cintura e muita criatividade para quebrar o favoritismo de Armando Monteiro e Paulo Câmara. Portanto, neste momento Fernando está em significativa desvantagem em vários aspectos quando comparado a Armando, nada que não possa ser modificado, mas não será nada fácil virar este jogo.
Informações Edmar Lyra

Nenhum comentário:

Postar um comentário