sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Sentimento de mudança pode prejudicar hegemonia do PSB em Pernambuco

A história das eleições estaduais mostra que desde a redemocratização, com a volta de Miguel Arraes em 1986 ao governo de Pernambuco, o estado se alternou em grupos políticos sempre na eleição seguinte, até a reeleição de Jarbas Vasconcelos em 2002 quando ele foi o primeiro governador a conquistar o segundo mandato consecutivo.
A hegemonia de Jarbas foi quebrada em 2006 com a vitória de Eduardo Campos, que derrotou o candidato Jarbista Mendonça Filho por expressiva margem, e deu início a atual hegemonia que sustenta Paulo Câmara no Palácio do Campo das Princesas que dura doze anos e representa a maior dinastia de um grupo político na história democrática de Pernambuco.
Esse recorde de doze anos tem um sinal muito claro de esgotamento nas eleições de 2018, exceto São Paulo que vivencia uma hegemonia do PSDB desde 1994 com a entrada de Mario Covas, nenhum outro estado no Brasil possui projetos que duraram mais do que doze anos. O desafio do PSB será convencer o povo pernambucano de que é melhor continuar num projeto que já não tem mais Eduardo Campos, com o agravamento de problemas da segurança pública, do que mudar para um outro projeto.
Nas eleições de 2016 Pernambuco vivenciou algumas eleições que sintetizaram o sentimento de mudança, ainda que as gestões que estavam sob avaliação possuíssem o apoio e o reconhecimento da população, vide Jaboatão dos Guararapes que o candidato do então prefeito sequer chegou ao segundo turno. Em Olinda, o PCdoB tentou construir 20 anos de hegemonia, mas acabou amargando um modesto quarto lugar.
Em Camaragibe um resultado bastante emblemático, o então prefeito Jorge Alexandre fazia uma gestão bem-avaliada, mas ocorreu uma operação que neutralizou as suas forças e fez de Demóstenes Meira o prefeito do município depois de perder quatro eleições. O sentimento de mudança e de fadiga de material se consolidou também naquele município, assim como Petrolina que tinha um prefeito bem-avaliado mas que não conseguiu transferir seu prestígio para o seu candidato que acabou derrotado.
Apoiadores do Palácio do Campo das Princesas subestimam os adversários pois acham Fernando Bezerra Coelho e Armando Monteiro candidatos pouco competitivos e dizem que o governador Paulo Câmara ganhará a eleição porque não tem para quem perder. Ledo engano, a fadiga de material do PSB de doze anos de governo e o sentimento de mudança poderão catapultar um candidato oposicionista e acabar com a dinastia socialista no estado.
Informações Edmar Lyra

Nenhum comentário:

Postar um comentário