segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Saída de partidos da Frente Popular deve acender sinal de alerta no PSB

Nas eleições de 2006 Eduardo Campos construiu uma frente de apenas cinco partidos, PSB, PDT, PSC, PP e PL (atual PR), chegou ao segundo turno como azarão e venceu a disputa impondo uma derrota a União por Pernambuco que governava Pernambuco por oito anos. Quatro anos mais tarde, na reeleição Eduardo conseguiu juntar 15 partidos em torno da sua reeleição e foi vitorioso com 83% dos votos válidos.
Na sucessão de Eduardo, a candidatura de Paulo Câmara reuniu a maior frente política da história de Pernambuco com 21 partidos, dentre eles PSDB, PMDB, DEM e PPS, que nas duas vitórias de Eduardo estiveram com a Mendonça em 2006 e Jarbas em 2010. Foi um projeto de unidade jamais vista em Pernambuco costurado por Eduardo que foi de longe o maior articulador político do estado, mas que tão logo Paulo assumiu, já se iniciaram as arestas com atores importantes que hoje estão na oposição.
Até o presente momento, Paulo perdeu para a sua reeleição a Rede Sustentabilidade, o PV, o DEM e o PSDB, com forte possibilidade de perda do PMDB que deverá ter Fernando Bezerra Coelho candidato a governador, e partidos como PR, PSC, PSL, Solidariedade e PP, que a dependendo do cenário nacional, podem marchar com a oposição em outubro.
Não é normal um governador perder tantos apoios faltando dez meses para a sua reeleição, portanto é fundamental que o Palácio do Campo das Princesas acenda o sinal de alerta, uma vez que mesmo que o PT volte a integrar a Frente Popular depois de seis anos, há um risco real de saída de partidos tão logo se oficialize a entrada, o que deverá ser motivo de preocupação para o governo, pois há uma grande possibilidade de assim como em 1998 na reeleição de Miguel Arraes quando ele foi derrotado, Paulo Câmara poderá ter um guia eleitoral menor do que o da oposição em 2018.
Informações Blog do Edmar Lyra

Nenhum comentário:

Postar um comentário