terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Morre pai do senador e pré-candidato a governador Armando Monteiro

Armando Monteiro Filho
Foto: Paullo Allmeida / Folha PE
Morreu na manhã desta terça-feira (2) o empresário e ex-ministro Armando Monteiro Filho. Ele faleceu em casa, aos 92 anos, por volta das 6h30. 

Genro do ex-governador Agamenon Magalhães, Armando Monteiro Filho dividiu as atividades de empresário com a política. Foi deputado estadual, deputado federal, ministro da Agricultura no governo João Goulart.

Casado com Do Carmo Monteiro, é pai de seis filhos: Maria Lectícia, Sérgio (falecido aos 15 anos), Horácio, Cláudio, além do senador Armando Monteiro Neto (PTB) e do presidente do Grupo EQM, Eduardo de Queiroz Monteiro. 

O corpo do empresário e ex-ministro será velado nesta terça, das 16h às 19h, na Capela Nossa Senhora das Graças, no Instituto Ricardo Brennand, na Várzea. Nesta quarta (3), ocorre uma missa no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, às 10h. Às 11h, será cremado, em cerimônia restrita aos familiares. 
História
Engenheiro por formação, o ex-ministro ingressou na universidade em 1945, e participou ativamente da política universitária contra o Estado Novo.

Cinco anos mais tarde, em 1950, elegeu-se deputado estadual pelo Partido Social Democrático (PSD) em Pernambuco. No entanto, foi impedido de assumir o mandato devido ao parentesco com o sogro (Agamenon Magalhães). No ano seguinte, obteve a primeira suplência nas eleições suplementares para a Assembleia Legislativa de Pernambuco. 

No ano de 1951, foi nomeado secretário estadual de Viação e Obras Públicas. Ficou no cargo até 1954, quando assumiu vaga aberta na Assembleia. Em outubro do mesmo ano, candidato pelo PSD, foi o deputado federal mais votado. Em 1955 assumiu o mandato e reelegeu-se deputado federal em 1958. 

Com a renúncia do presidente Jânio Quadros, Armando Monteiro Filho votou a favor da emenda constitucional que instituiu o regime parlamentarista como fórmula conciliatória para garantir a ascensão de João Goulart, vice-presidente. Com isso, em seguida, Tancredo Neves foi nomeado primeiro-ministro e Armando Filho foi indicado para o Ministério da Agricultura. 

Deixou a pasta e reassumiu a cadeira na Câmara Federal. Em outubro de 1962, disputou o Governo de Pernambuco pelo PSD. A eleição foi vencida pelo ex-governador Miguel Arraes. 

Informações Folha de PE

Nenhum comentário:

Postar um comentário