terça-feira, 21 de novembro de 2017

Fernando Bezerra x Paulo Câmara; O clássico de 2018 em Pernambuco

Nos últimos 30 anos, Pernambuco teve algumas eleições bastante emblemáticas, desde a vitória de Miguel Arraes em 1986 contra José Múcio, passando pela dura disputa de Joaquim Francisco e Jarbas Vasconcelos em 1990, Jarbas contra Arraes em 1998, Eduardo Campos e Mendonça Filho em 2006 e o próprio Eduardo contra Jarbas em 2010, foram eleições históricas e carregadas de muito simbolismo.
A de 1986 foi uma disputa entre Miguel Arraes que voltava do exílio contra o jovem José Múcio Monteiro que topou o desafio depois de muitos declinarem da empreitada por considerar fatura liquidada. Apesar de Arraes vencer, o desempenho de Múcio foi além do esperado, atingindo quase 40% dos votos.
Na disputa de 1990, protagonizada por Joaquim e Jarbas, ela ficou marcada pela célebre frase de Joaquim: “vou desmistificar você, Jarbas Vasconcelos”, que acabou vitorioso. Joaquim ficou com 50,95% dos votos válidos e impôs uma vantagem de apenas 150 mil votos. Jarbas, por sua vez, culpou Arraes pela sua derrota, pois considerou que se ele tivesse sido candidato a senador teria ajudado Jarbas a se eleger.
Em 1998, já rompidos Arraes e Jarbas protagonizaram uma disputa que ficou marcada pelo Escândalo dos Precatórios, com agressões muito duras, que acabou culminando na vitória de Jarbas por uma diferença de mais de um milhão de votos. Arraes era governador e acabou perdendo a reeleição.
Em 2006, oito anos depois da emblemática vitória de Jarbas sobre Arraes, e um ano depois da morte de Arraes, Eduardo começou desacreditado com apenas 4% e novamente uma disputa sangrenta acabou “matando” Humberto Costa e colocando o candidato de Jarbas, Mendonça Filho, no segundo turno contra Eduardo Campos, o neto de Arraes. Eduardo devolveu a derrota com juros e correção monetária e iniciou a hegemonia do PSB.
Para deixar Eduardo ainda mais fortalecido, veio o processo eleitoral de 2010 quando Jarbas foi obrigado a disputar contra Eduardo pela oposição. Disputando sem vontade, Jarbas praticamente não fez campanha, enquanto Eduardo considerou questão de honra. Dois ícones da política pernambucana se enfrentaram e tivemos a maior diferença de votos da história de Pernambuco, quando Eduardo colocou mais de 3 milhões de votos de frente contra Jarbas, sendo o governador mais bem votado proporcionalmente do país.
A eleição de 2014 perdeu a emoção com a morte de Eduardo em pleno processo eleitoral, e culminou num passeio de Paulo Câmara contra Armando Monteiro, cujo processo histórico só ganhou relevância pelo episódio envolvendo o desaparecimento de Eduardo Campos, porém as eleições de 2018 terão um forte componente que está se desenhando, que é o ódio entre os protagonistas.
Eleitos na mesma chapa em 2014, Paulo Câmara e Fernando Bezerra Coelho se enfrentarão pelo Palácio do Campo das Princesas. Paulo pelo PSB e Fernando pelo PMDB, que afirmou que enfrentará o governador em 2018 e o derrotará com expressiva margem. Pela primeira vez Fernando foi tão incisivo no seu posicionamento. O Palácio não deixa barato, e considera FBC como um adversário a ser mais do que derrotado, e sim exterminado da política pernambucana em 2018.
Existem evidências claras de que teremos em 2018 uma eleição “sangrenta” e igualmente histórica, pois será protagonizada por dois herdeiros de Eduardo Campos e que estão elevando tanto a temperatura que até um simples olhar atravessado poderá significar um motivo para uma confusão sem precedentes. Estaremos diante de um novo clássico da política pernambucana.
Informações Edmar Lyra

Nenhum comentário:

Postar um comentário