sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Operação investiga desvio de R$ 12 milhões em Pernambuco

O chefe de polícia Civil, Joselito Kehrle do Amaral, detalhou a operação esta manhã
O ex-prefeito do município de Buenos Aires, Zona da Mata de Pernambuco, Gislan de Almeida Alencar, o vereador do município Flávio José Barbosa Melo, Flávio de Deda, além de empresários estão entre os presos da Operação Samidarish, deflagrada nesta sexta-feira pela Polícia Civil para capturar integrantes de uma organização criminosa voltada para a prática dos crimes de fraudes em licitações, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A polícia calcula que quase R$ 12 milhões de verbas públicas foram desviadas pelo grupo.

"O objetivo da operação é desarticular mais uma organização criminosa que atua em prefeituras com desvio de recursos públicos que deveriam estar alimentado crianças nas escolas, sendo utilizados nas saúde pública, abastecendo ambulâncias... O ex-prefeito foi preso e a ex-vice prefeita está sendo conduzida para ser ouvida. Sete empresários envolvidos foram presos por lavagem de dinheiro e fraudes em licitações públicas. O valor era superfaturado e era pago como propina. O verador lavava o dinheiro e chegou a inaugurar o Restaurante Comendador, no Pina, para lavar esse dinheiro. Com a delação premiada esperamos ampliar essa investigação. Na casa do vereador também foi apreendido um revólver e ele foi autuado em flagrante por posse ilegal de arma de fogo", detalhou esta manhã o chefe de polícia Civil, Joselito Kehrle do Amaral. 

Foram cumpridos ao todo nove mandados de prisão preventiva, quatorze de busca e apreensão domiciliar, além de 11 mandados de condução coercitiva nas cidades de Buenos Aires, Carpina, Paudalho, Limoeiro, Aliança, Paulista e Recife, expedidos pela Comarca de Buenos Aires. Todos estão sendo levados para a sede do Depatri.
As investigações foram efetuadas pela Delegacia de Crimes Contra a Administração e Serviços Públicos (DECASP) da Diretoria Integrada Especializada (DIRESP), sob a presidência do delegado Izaias Novaes, assessorado pelo Núcleo de Inteligência da DECASP, com a participação da Diretoria de Inteligência da Polícia Civil (DINTEL) e do Centro Integrado de Inteligência de Defesa Social (CIIDS).
Os trabalhos contaram ainda com o apoio do Ministério Público de Pernambuco, o Tribunal de Contas de Estado e a Controladoria Geral da União, que atuaram conjuntamente com a Polícia Civil de Pernambuco, dando suporte às investigações. Na execução do trabalho operacional, participam 160 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães. A operação esta sendo supervisionada pela Chefia de Polícia Civil e coordenada pela Diretoria Integrada Especializada (DIRESP).

Informações do Diário de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário