terça-feira, 29 de agosto de 2017

União por Pernambuco ganha corpo e poderá está de volta em 2018

A União por Pernambuco ganhou contornos em 1994, se tornando robusta em 1996 e chegou ao poder em 1998, ela foi fruto de uma articulação do deputado federal José Mendonça, então PFL, que aproximou os caciques do partido a Jarbas Vasconcelos, liderança de esquerda em ascensão que precisava se afastar de Miguel Arraes para poder ter luz e brilho próprios. A articulação de José Mendonça conseguiu emplacar Roberto Magalhães na prefeitura do Recife após uma exitosa gestão de Jarbas Vasconcelos, dois anos depois elegeu Jarbas governador, Mendonça Filho vice-governador e José Jorge senador, acabando com a hegemonia de Miguel Arraes, que havia derrotado em 1994 nomes do PFL e do PMDB.
O projeto de poder da União por Pernambuco ficou trincado com a derrota de Roberto Magalhães para prefeito do Recife, que disputando a reeleição, perdeu para João Paulo mesmo fazendo uma gestão bem-avaliada. Em 2002, na reeleição de Jarbas, um novo suspiro, Marco Maciel e Sergio Guerra venceram o Senado, mas viram Lula se eleger presidente da República e fortalecer Humberto Costa e Eduardo Campos, seus ministros. Em 2004, Jarbas não conseguiu emplacar Cadoca na prefeitura, mesmo ele sendo líder nas pesquisas. Um movimento em 2003 afastou muita gente do governo Jarbas e João Paulo foi novamente vitorioso contra Cadoca e Joaquim Francisco. A hegemonia da União por Pernambuco acabaria de uma vez por todas dois anos depois, quando Eduardo Campos derrotaria Mendonça Filho para o governo de Pernambuco e construía o ciclo mais longevo de poder em Pernambuco para o PSB, com resultados mais expressivos que qualquer outro grupo no estado.
Para as eleições de 2018, após doze anos de hegemonia socialista, a finada União por Pernambuco, dizimada por Eduardo, surge repaginada, desta vez sendo liderada por Fernando Bezerra Coelho, que deverá ser candidato pelo mesmo PMDB de Jarbas Vasconcelos, e juntando pessoas que formaram a União por Pernambuco, como Mendonça Filho, Bruno Araújo, Armando Monteiro e o próprio Fernando. Desta vez o movimento, que se chamará Juntos por Pernambuco, engloba João Lyra Neto, Raquel Lyra e algumas dezenas de prefeitos insatisfeitos com a Frente Popular do governador Paulo Câmara.
Ontem foi dado o pontapé inicial para sustentar a candidatura de Fernando Bezerra Coelho ao Palácio do Campo das Princesas, que deixou a prefeitura de Petrolina em 2007 para ser secretário de Desenvolvimento Econômico de Eduardo Campos, chegando aos cargos de presidente do Santa Cruz, ministro da Integração Nacional e senador da República. Fernando se preparou a vida inteira para chegar ao cargo que seu tio Nilo Coelho ocupou um dia, pensou ser 2014, mas teve que respeitar a liderança de Eduardo que optou por Paulo Câmara, mas soube esperar e chega em 2018 no meio do mandato de senador, unificando uma oposição robusta para enfrentar um partido que vem enfrentando muitas dificuldades desde que perdeu o seu principal líder. Caruaru sediou o primeiro grande passo para a ressurreição da União por Pernambuco, desta vez repaginada, com novos e antigos atores mas com um novo líder.
Gesto – Ausente no evento do PSB no último domingo em Recife, o prefeito do Cabo de Santo Agostinho Lula Cabral fez questão de aparecer em Caruaru ontem ao lado dos ministros Mendonça Filho, Fernando Filho, Raul Jungmann e Bruno Araújo, e dos senadores Armando Monteiro e Fernando Bezerra Coelho. Para um bom entendedor, pequenos gestos bastam.
Presença – Dos cinquenta prefeitos presentes na entrega de 2.400 casas do Minha Casa Minha Vida em Caruaru, 21 eram filiados ao PSB do governador Paulo Câmara, isso equivale a 30% de todos os prefeitos que o partido possui em Pernambuco. Estes mesmos gestores fizeram questão de não aparecer no encontro estadual do PSB no domingo.
Informações Blog do Edmar Lyra

Nenhum comentário:

Postar um comentário