segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Paulo Câmara quer aproximação com o PT para 2018

Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

Na contramão da decisão do seu padrinho político Eduardo Campos que em 2012 iniciou um distanciamento do PT que culminaria em 2014 na sua candidatura à presidência da República contra Dilma Rousseff, o governador Paulo Câmara tomou a decisão de se reaproximar do PT, que inicialmente tem sido política e que poderá se materializar numa aliança que garantiria uma vaga de senador na sua chapa majoritária para os petistas.
O governador estaria de olho na popularidade do ex-presidente Lula que uma vez candidato a presidente poderia impulsionar aliados no Nordeste, já que seu maior contingente de votos está na região. Assim como toda acomodação política, o governador viabilizando esta aliança criaria algumas fraturas na frente popular, uma vez que é sabido que o deputado Jarbas Vasconcelos não nutre a menor simpatia pelo PT e poderia sair da aliança caso haja essa materialização. No PT, por sua vez, uma eventual aliança com o PSB poderia criar um baita de um problema com a vereadora Marília Arraes, que crê piamente na sua candidatura a governadora e nutre um ódio mortal pelo PSB e pelos sucessores de Eduardo Campos. Não seria fácil essa construção e caberia ao PT e ao governador fazer esta avaliação.
Valeria a pena perder o PMDB de Jarbas Vasconcelos, o PSD de André de Paula e o PR de Sebastião Oliveira para ter os petistas? Uma vez que os três líderes políticos foram forjados na oposição ao PT e não simpatizariam com uma eventual aliança do governador com o partido. Além do mais, o governador estaria entregando o PMDB de bandeja para o senador Fernando Bezerra Coelho, seu provável adversário na disputa pelo Palácio do Campo das Princesas.
É pouco provável que a militância petista tenha o mesmo entusiasmo para apoiar Paulo Câmara que teria para uma candidatura de Marília Arraes por exemplo, então na prática esta aliança tende a ser mais interessante ao PT que busca emplacar João Paulo e Humberto Costa na Câmara dos Deputados do que para o governador, que estaria apostando exclusivamente no poder de transferência de votos de Lula em Pernambuco, que desde 2012 vem perdendo força significativa em todo o país, inclusive no estado onde viu seus candidatos serem derrotados.
Informações Edmar Lyra

Nenhum comentário:

Postar um comentário