sábado, 22 de julho de 2017

Cenário sem Lula é o mais difícil para o PT-PE

Renata Bezerra de Melo
Enquanto se debate, no Estado, as possibilidades de palanque para o PT em 2018, nacionalmente, a cúpula da sigla não chegou ainda ao que alguns petistas têm descrito como “hora da verdade”. Em outras palavras, seria o momento em que o partido bateria o martelo se terá mesmo uma candidatura de Lula ao Planalto ou se recorrerá a um plano B. “Se Lula não for candidato, a gente vai ter que ir mesmo de candidatura própria (em Pernambuco), que é o cenário mais difícil para gente”, observa um graduado petista em reserva. Caso o líder-mor do PT concorra, a despeito das dificuldades na Justiça, as chances de haver algum entendimento na formação do palanque local se elevam. 

A aposta é de que nomes como o do senador Armando Monteiro Neto, por exemplo, teriam mais interesse em compor. Por enquanto, quem já ouviu o ex-presidente pondera que ele defende ser importante o partido se preparar, desde já, para o cenário com candidatura própria. Na projeção do líder-mor do PT, segundo interlocutores, o partido vai terminar seguindo esse caminho. No caso de Armando, dentro do PT, não só a posição do petebista a favor das reformas do governo Temer tem pesado negativamente contra ele. Lideranças petistas repisam um outro complicador: as conversas que ele vinha tendo com o PSDB e o DEM. E ainda que Lula possa concorrer, não seria este cenário dos mais confortáveis. “A campanha se daria sob a expectativa e de sair uma outra sentença”, admite, nas coxias, um petista.

Tropa de choque
Presidente do PSB-PE, Sileno Guedes embarcou para Petrolina no mesmo voo do prefeito Geraldo Julio. À cerimônia de casamento do prefeito Miguel Coelho, chegaram juntos: Antônio Figueira, Sileno, Geraldo e Paulo Câmara. Presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia juntou-se ao grupo.

Dia 2 : O ministro Bruno Araújo recebeu ligação do presidente da Amupe, José Patriota, considerando que haveria “disputa desnecessária” entre o Congresso Pernambucano de Municípios e o lançamento do Cartão Reforma. Não foi possível remarcar para a semana seguinte, por conta da votação da denúncia, no dia 2. 

Todos em BSB : A tropa toda deverá estar em Brasília no dia da votação da denúncia contra Temer. Mas parlamentares já não descartam que a mesma possa ficar para o dia 3 ou 4. Por que? “Por eventuais problemas de quórum, obstrução, terremoto, maremoto...”, enumera a fonte ligada ao Planalto.

Com o PT : Em Serra Talhada ontem, Armando Monteiro foi recebido pelo prefeito Luciano Duque, do PT. A questão das alianças para o pleito no ano que vem foi à pauta e falou-se em “diálogo amplo para 2018”. Em Orocó, Armando também foi recebido por um prefeito do PT, Gueber.

Merendas 1 :
 A Operação Comunheiro II da Polícia Civil de Pernambuco prendeu oito pessoas suspeitas de desvio de recursos na merenda escolar e material de escritório. Foi deflagrada, ontem, em parceria com o TCE, que descobriu indícios de superfaturamento em contratos de prefeituras.

Merendas 2 :
 O TCE, por exemplo, questionou contratos de Moreno em 2016, que “pegou carona” numa licitação da Prefeitura de Paulista para merenda no mesmo ano. Apesar de uma cautelar do TCE, os envolvidos continuaram com o fornecimento a preços fora do mercado. Segundo o chefe de Polícia, até “comida podre” era entregue nas escolas.


Por Renata Bezerra de Melo Colunista da Folha de PE

Nenhum comentário:

Postar um comentário